Páginas

terça-feira, 4 de maio de 2010

A Hora da Verdade



Chega a ser engraçado, se não fosse trágico o repudio do Governo do Amapá na nota que tenta justificar o injustificável, a qualquer politização da saúde publica amapaense.

Estou falando da morte de dezenas de bebes que poderia ser evitada mostradas pela Rede Globo no último domingo pelo Fantástico.


Durante a campanha eleitoral de 2006, as câmeras do circuito interno do hospital da Mulher Mãe Luzia em Macapá gravaram imagens de uma visita do candidato João Capiberibe àquela maternidade.

Capiberibe foi verificar pessoalmente uma denuncia de que as pacientes eram colocadas nos corredores do hospital logo após o parto.


Eu dirigi uma das equipes que gravou para um programa a ser exibido no único espaço disponível para esse tipo de denuncia: o programa eleitoral do PSB.

Todos os demais espaços de todas as mídias, com raríssimas exceções estavam a serviço de grupos políticos no poder.



Era duas câmeras, uma acompanhando o candidato Capiberibe e a outra registrando cenas da rotina da maternidade.

As imagens que registramos na época foram semelhantes às mostradas pelo Fantástico. Capiberibe ouviu inúmeras denuncias, entre elas a falta de respiradores, e sobre as primeiras mortes de bebes que poderiam ser evitadas, a falta de condições de trabalho e outras irresponsabilidades.

Registramos cenas das macas com pacientes nos corredores, uma rotina na maternidade. Gravamos o desespero e as denuncias de profissionais sem as mínimas condições de trabalho.

Não utilizamos câmera escondida. Foi tudo feito as claras mesmo.



As imagens gravadas pelas câmeras de segurança da maternidade que também registrou a visita de Capiberibe foram parar na produtora da campanha do ex governador Waldez Góes. Utilizando montagens e trucagens editaram uma "reportagem" "mostrando” que tudo não passava de uma armação do candidato Capiberibe com a cumplicidade dos funcionários do hospital.

A maternidade funcionava sem nenhum problema dizia a "matéria".


A falsa reportagem foi entregue na afiliada da Rede Record de Macapá, que na época era controlada pelo senador Gilvan Borges (PMDB). Foi veiculada em rede nacional, no Jornal da Record, com direito a chamadas promocionais mostrando trechos das montagens, durante toda a tarde que antecedeu a exibição.



No dia seguinte a "imprensa de apoio" promoveu um dos maiores linchamentos públicos que se tem notícia, sempre ressaltando que a morte de bebes era invenção de Capiberibe e que a maternidade funcionava normalmente.


A lavagem cerebral em massa contribuiu para a queda de Capiberibe nas pesquisas naquela eleição. Até hoje tem pessoas que acreditam na versão montada para esconder o crime que agora foi revelado: a morte de dezenas de crianças que poderia ser evitada.



O Ministério Público Eleitoral, após minuciosa investigação concluiu que as imagens foram mesmo montadas para tentar incriminar e prejudicar a eleição de Capiberibe e formalizou denuncia TRE.

Não deu em nada.



A reportagem do Fantástico, da Rede Globo revelou a verdade que a falsa reportagem do Jornal da Record tentou esconder com apoio dos grupos políticos parceiros do poder, esses os verdadeiros responsáveis pelo descaso criminoso com o hospital da Mulher Mãe Luzia e a falta de compromisso e de responsabilidade com a saúde dos amapaenses.


Este será um dos principais temas das próximas eleições, sim. A saúde, segurança, educação, transparência, desenvolvimento do Amapá e a morte criminosa de dezenas de crianças que poderia ser evitada e que nenhuma nota oficial, por mais bem redigida que esteja vai apagar.

Com fotos das esculturas da artista plástica norte-americana Camille Allen, via Imagens e Letras.

2 comentários:

martinha disse...

Oi Walter....bom te ver na ativa novamente! Sucesso!! beijo!

Bete disse...

Ola queridissimo
Eis o retrato de nossa dura realidade.
Como vc bem disse, tantas dores poderiam ter sido evitadas, se as denuncias (independente de quem as fez) tivesem sido levadas á serio.
Bjs