Páginas

quinta-feira, 26 de outubro de 2006

Palanques

Capi, Sarney, Jader e Gilvan no mesmo palanque??!!

Quando for ao ar, logo mais, o palanque eletrônico dos candidatos ao governo do Pará, mais precisamente o programa de Ana Júlia, o presidente do PSB do Amapá João Capiberibe aparecerá falando maravilhas da candidata petista. Se no mesmo clipe de apoios entrar a cena de Sarney beijando candidamente a mão de Ana Julia tendo Jader Barbalho e Gilvan Borges como guarda costas estará consolidada uma aliança em prol de uma mesma causa: colocar o PT no governo do Pará.
Mas não é bem assim: Capiberibe atendeu a um apelo do PSB nacional e fez uma gravação para a candidata. Já Sarney soube da ida de Lula ao palanque de Ana Julia e apareceu no comício para convidá-lo a ir ao Maranhão acudir a campanha de Roseana. Aproveitou o embalo e declarou o seu apoio à Ana Júlia. Ocorre que há uma rivalidade muito grande entre o Pará e o Maranhão. Sarney é acusado de ter articulado para que o embarque dos minérios paraenses, ao invés do porto de Barcarena, no Pará, fosse feito no porto de Itaqui, no Maranhão. O traçado da ferrovia foi modificado. Em vez de ligar Carajás a Belém, a ferrovia vai direto para São Luís. Para o trem não voltar vazio, trás indigentes do Maranhão, que recebem a passagem só de vinda e engrossam as estatísticas dos problemas sociais do Pará.

Sarney, quando era presidente, queria transformar o Pará num depósito de lixo atômico mandando o minério radiativo de Goiania, que ninguém queria, para a Serra do Cachimbo. Além disso tentou construir uma penitenciária de segurança máxima na ilha do Marajó, para onde seriam mandados os mais perigosos bandidos do país, o que inviabilizaria a transformação do arquipélado no segundo maior polo turístico paraoara.

Dizem que Sarney só não levou o Círio de Nazaré para o Maranhão porque é devoto de São José de Ribamar.

Por essas e outras que depois da exibição do mimo de Sarney à Ana Julia, a candidata despencou nas pesquisas e corre o risco de perder as eleições.


Amnésia

O prestigiado programa Roda Viva, não o exibido às segundas feira à noite pela TV Cultura para todo o Brasil, menos para o Amapá; mas o que vai ao ar na hora do almoço pela TV Bandeirantes de Macapá, ficou surpreso com o fato de João Capiberibe subir no palanque do candidato Jackson Lago 12, do mesmo partido de Waldez Góes 12, o PDT. Como de costume baixou a lenha sem dó nem piedade.
Afinal, Capiberibe disputou o governo do Amapá com Waldez Góes 12. Alias continua disputando, só que agora na justiça.

"Um absurdo!" finalizou o "prestigiado" apresentador.

Só que o programa “esqueceu” que Waldez Góes 12 também esteve no Maranhão e subiu no palanque da candidata do PFL Roseana Sarney, que disputa o governo do Maranhão com Jackson Lago 12. Waldez fez campanha contra um candidato do seu próprio partido.

É uma questão de coerência. Como o PSB do Maranhão apóia Jackson, Capiberibe raspou dois bigodes como uma só navalhada. Deu entrevistas e fez discursos apoiando o pedetista maranhense e queimando o filme de Sarney. Já o pedetista do Amapá contemplou dois bagos com uma mesma presença: atendeu a uma convocação do pai de Roseana e viu o Lula, mesmo entrando mudo e saido calado do evento.

Um comentário:

Navi Leinad disse...

As alianças extrapolam o limite dos interesses políticos e alcançam a esfera dos interesses pessoais.